O que é Metodologia Ágil?

28/06/2019

Written by Marco Panichi

Você pode ficar aliviado ao saber que existe uma versão oficial do que é ágil. 

São apenas 68 palavras no “Agile Manifesto” (2001) em sua totalidade compacta:

Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software, fazendo-o nós mesmos e ajudando outros a fazerem o mesmo.

Através deste trabalho, passamos a valorizar:

Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas

Software em funcionamento mais que documentação abrangente

Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos

Resposta a mudanças mais que seguir um plano

Ou seja, mesmo havendo valor nos itens à direita, valorizamos mais os itens à esquerda.

Naturalmente, há muita discussão (e às vezes discórdia) sobre o que é ágil e o que não é.

O manifesto é provavelmente a única descrição de ágil que todos concordariam ser realmente ágil. Além do manifesto, não importa o que você ouça, a prática “correta” do ágil depende do que você está aprendendo que funciona para você e sua equipe.

Desde esse manifesto em 2001, o ágil tornou-se uma palavra de ordem para praticamente todos os tipos de inovação aplicada. Inclua “ágil” e “inovação” na linha de assunto do seu próximo email, se quiser garantir que todos os destinatários o leiam. 

 

Por favor, acredite em mim quando digo que este artigo não tem nada a ver com definir termos (ou seja, chato), mas acho que vale a pena definir o que significa inovação para uma equipe ágil. Eu diria que uma equipe definitivamente está inovando se estiver fazendo três coisas regularmente:

  • Explorar o que realmente importa para o usuário em termos de problemas a serem resolvidos, tarefas a serem executadas, desejos a serem cumpridos etc.
  • Testando várias soluções alternativas para as opções acima
  • Medindo seu sucesso mais em termos de resultados que eles alcançam para o usuário versus resultados que eles geram
  • Para resumir uma abordagem prática da inovação, eu gosto do diagrama de Donald Norman, que você encontrará abaixo. Você pode ver como ele se move do problema para a solução. Além disso, a idéia com o formato de diamante é que você está considerando várias possibilidades (divergentes) e, em seguida, usa algum tipo de teste para restringir o que realmente fará (convergindo).

    Agora, aqui está a parte interessante: acho que a inovação é tão importante para a equipe que está implantando um novo módulo de software corporativo (Salesforce, SAP etc.) quanto para a startup que vai mudar a maneira como as pessoas medicam seus animais de estimação (ou qualquer possibilidade entre essas).

    Certamente, a inovação é tradicionalmente associada a startups e empresas de produtos como o Google, mas também muitos projetos falham por falta de atenção ao usuário – se você já esteve envolvido em software corporativo / B2B, sabe o que estou falando.

    Como você sabe se uma equipe ágil está inovando ou não? Eu diria que é mais um espectro versus uma resposta preto no branco. Mesmo que você tenha fornecido várias especificações “fixas” para uma solução, ainda precisará descobrir como implementá-las e a realidade é que você provavelmente terá muita discrição quanto a isso. Meu conselho a qualquer pessoa em uma equipe ágil é pensar em como você aprimorará os resultados para o usuário por meio de suas ações, que é a essência da inovação. O Agile é uma ótima maneira de fazer isso.

Metodologias ágeis

Muitos guias Ágeis começam com uma descrição das várias metodologias, e acho isso ruim. Está para trás. As metodologias são úteis para:

Começar com a prática de agilidade (e adaptando-a à sua situação)

Encontrar idéias para resolver um trabalho / problema específico com o qual você está lidando (por exemplo: como posso integrar um cientista de dados em tempo parcial à equipe?)

 

Especialmente para o item 2 acima, você precisa de um ponto de vista sobre o que está tentando alcançar e por que antes de se preocupar com o que uma determinada metodologia diz.

 

Definitivamente, eles não servem para dominar uma ortodoxia fixa e, em seguida, focar sua prática de agilidade na tentativa de aderir a essa ortodoxia – mas esse é o papel que muitas dessas metodologias acabam servindo na prática real. Isso é ruim por razões óbvias, entre as quais o exato oposto do princípio ágil de “Respondendo a mudanças ao longo de um plano”.

 

Nos próximos artigos estarei abordando os 3 Frameworks com que trabalho tanto na área de desenvolvimento de software como no de gestão de marca.

Publicações Relacionadas

O que é Design Thinking?

O Design Thinking é um processo cíclico (iterativo) não linear que busca entender os usuários, desafiar suposições, redefinir problemas e criar soluções inovadoras para prototipar e testar.  O método consiste em 5 fases - Empatia, Definição, Idéia, Protótipo e Teste. ...

A Era da Hipercompetição

A boutique de bairro que agora compete com um fabricante chinês que vende através do AliExpress. A padaria que perdeu clientes para uma padaria do outro lado da cidade pois alguns clientes preferem pedir através do iFood. A indústria que investiu em maquinário,...

O que é Design Thinking?

O Design Thinking é um processo cíclico (iterativo) não linear que busca entender os usuários, desafiar suposições, redefinir problemas e criar soluções inovadoras para prototipar e testar.  O método consiste em 5 fases - Empatia, Definição, Idéia, Protótipo e Teste. ...

ler mais

Acompanhe nossos conteúdos em seus canais favoritos

Deseja conversar?

Possui dúvidas sobre como o seu negócio pode aproveitar a Transformação Digital? Agende um horário para falarmos ao vivo sobre Criação de Valor, Hipercompetição, Marketing, Desenvolvimento de Negócios e aplicativos.

Atualize-se por e-mail

Inscreva-se em nossa lista para ofertas e atualização de informações

Nossos Canais

Use sua rede favorita para acompanhar nossos temas